quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Vinho na Vila encerra a sua 1ª edição deixando um gostinho de quero mais

Que pena! Que pena mesmo ter acabado os três dias do Vinho na Vila, que aconteceu entre os dias 05 a 07 de agosto no Armazém da Cidade, em São Paulo Capital, e o que eu posso dizer é que "o Vinho na Vila encerra a sua 1ª edição deixando um gostinho de quero mais! Sem os sincretismos vinílicos, e sem a intervenção de enochatices à parte, o evento teve a proposta única de democratizar o acesso do consumidor de vinhos ao vinho, e com mais um adendo, Nacionais, porque o Brasil produz vinhos excepcionais também, e o lugar escolhido não poderia ter sido melhor, a Vila Madalena, o bairro que para mim, é o mais boêmio e cultural da cidade. Ali, todos os presentes ficaram à vontade, passeando nas ruas, escutando boa música, vendo pessoas circulantes e felizes, fazendo inúmeras selfies na escadaria e no Beco do Batman, logo ali, ao lado de tudo. Tudo muito bom mesmo! Foi uma grande iniciativa e de surpreendente adesão, idealizados por pessoas que hoje constroem um cenário diferente, trazendo leveza e simplicidade ao dito "mundo dos vinhos". Larissa Fin e Silvia Mascella Rosa,- a primeira, enóloga e produtora dos vinhos Fin, a segunda, Sommelière profissional e curadora do evento - só podem receber muitos aplausos, acho mesmo que elas devem, junto com toda equipe organizadora, já pensar em uma nova edição rapidinho, rapidinho para a gente curtir muito.

Aproveitando o domingo no Vinho na Vila, o que eu vi e bebi. In vino veritas. Andiamo via!



E hoje foi dia mesmo de se divertir, de estar entre bons amigos, aproveitar o evento e experimentar bons vinhos. O evento dava a possibilidade de degustar os vinhos apresentados pelos produtores, como também em adquiri-los na compra de garrafa, o que para nós, que estávamos em três, foi bem atrativo. Como o domingo estava friozinho, decidimos por rótulos tintos, e não é que já iniciamos sendo presenteados pelo Fin Ancelotta Reserva do Produtor ? Um tinto encorpado, com aromas de frutas vermelhas escuras e notas de tosta, e de grande elegância em boca, não é à toa que foi eleito como o melhor vinho recebendo medalha de ouro no The Best of Wine Weekend 2016. Depois desse grande vinho quisemos perpetuar a tarde agradável com mais um vinho fantástico do mesmo produtor, o qual já é bem conhecido por mim Fin Tannat, rótulo de grande estrutura porém de taninos fáceis de beber. A tarde foi da uva Ancellota e Dal Pizzol Ancellota foi uma excelente surpresa, encorpado, com aromas de frutas maduras, couro e especiarias, delicioso em boca, com boa persistência e harmonia. Entre os estandes de alguns produtores presentes, estava a Red Buteco, um buteco de vinhos inaugurado recentemente na Vila Madalena. Me chamou a atenção por ter ali um vinho mineiro de rótulo lindo! Dom Minas Syrah, de Cordislândia, Minas Gerais. Tem uma leve maturação em madeira, prevalecendo um estilo jovial, com muita fruta como amoras, especiarias, e notas de fumo. Delicioso, de rótulo lindo e atrativo. Luiz Porto Vinhos Finos, guardem bem esse nome, do produtor do Dom Minas Syrah, e foi - me apresentado pelo Danilo, que trabalha na Red Buteco, este que é mais um lugar para se conhecer o qual já está na minha lista. E para finalizar a noite, optamos por comprar o Tempos Cabernet Sauvignon, da Vinícola Góes, um vinho de entrada, jovem e bem honesto na sua relação custo benefício. Justíssimo!

Até o próximo post, até o próximo Vinho na Vila!
Vanda Meneguci

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Miolo lança primeiro vinho do Brasil elaborado com uvas de colheita noturna



Em fevereiro deste ano, o Grupo Miolo implementou no Brasil uma nova tecnologia na colheita de uvas: a Colheita Noturna. Já utilizada em outros países, ela consiste – como o nome indica – na realização da colheita mecânica no período noturno.


A primeira utilização do processo aconteceu com a variedade Sauvignon Blanc no vinhedo do Seival Estate, na região da Campanha, no Rio Grande do Sul, e o resultado já pode ser conferido: acaba de chegar ao mercado o Miolo Reserva Sauvignon Blanc 2016, o primeiro vinho nacional elaborado com uvas de colheita noturna.

Entre os benefícios da Colheita Noturna, está a influência da temperatura, que cai consideravelmente no período noturno, preservando aspectos importantes da fruta e trazendo aromas bastante destacados. Além disso, o período mais frio preserva as cores verdes do mosto, influenciando não apenas no sabor e aroma do vinho, como também em sua coloração.

“Durante a madrugada, a uma temperatura mais baixa, a uva está gelada e apresenta uma preservação aromática diferente da fruta colhida durante o dia a altas temperaturas”, explica o enólogo e superintendente do grupo, Adriano Miolo. De acordo com ele, explorar as potencialidades da Sauvignon Blanc foi a principal motivação pela escolha da colheita noturna para a safra 2016 dessa variedade.


“A Sauvignon Blanc produz alguns dos melhores vinhos brancos do mundo. Na temperada região da Campanha, nos vinhedos do Seival, manejávamos o vinhedo de forma que protegíamos os cachos verdes da luz solar durante a maturação, para a preservação dos aromas. Agora, com a Colheita Noturna, seria como se controlássemos a temperatura da Sauvignon Blanc ainda na videira. Com isso, conseguimos evidenciar os aromas primários e também preservar sua acidez natural”, explica o enólogo Miguel Almeida, que acompanhou todo o processo de elaboração do vinho.


GRUPO MIOLO

O Grupo Miolo é um dos maiores e mais reconhecidos grupos do Brasil. A vinícola iniciou seus trabalhos em 1897, quando o italiano Giuseppe Miolo chegou ao Brasil. Hoje, possui projetos em diferentes regiões: Vale dos Vinhedos (RS), Campanha (RS), Campos de Cima da Serra (RS) e Vale do São Francisco (BA). Informações: www.miolo.com.br.

Informou: Ch2@ Comunicação

 Conheça o projeto Seival State assistindo o vídeo abaixo:


Até o próximo post!
Vanda Meneguci