terça-feira, 29 de setembro de 2015

Dos Estacas Torrontés demonstra a fantástica tipicidade de uma casta salteña por excelência

Você já experimentou algum dia um vinho da casta Torrontés? Se não, sugiro que não demore muito. Assim como a Malbec é a casta emblemática da Argentina, tão expressiva na região de Mendoza, Torrontés é a branca majestosa de Cafayete, sendo ela imperatriz ao noroeste deste país.

Feliz, feliz fiquei em degustar um vinho delicioso, tão fascinate, que ao abrir a tampa screwcap os aromas "saltaram" literalmente da garrafa. Será este o segredo de Salta?  Dos Estacas Torrontés é o seu nome, cujo o exemplar demostra a fantástica tipicidade de uma casta salteña por excelência!

A origem da Torrontés  é um tanto controversa. Alguns a alegam originária da Espanha, da região da Galícia, outros a atribuem -segundo dados da Wines of Argentina- ser ela proveniente de um cruzamento genético de duas variedades incorporadas no país durante o longo período colonial, entre a Uva Preta com a Moscatel de Alexandria. Pois bem, a sua história por fim, é bastante parecida com a Carménère no Chile, tendo sua identificação através de um processo complexo e acidentado, convivendo, assim, misturada com outras cepas sem que os viticultores notassem nela uma vinha diferente.

Antes de falar mais sobre o vinho, quero falar também da região. Salta encontra-se ao noroeste da Argentina, em um vale seco e de altitude que chega a 1.600 metros. De clima bastante ensolarado, chega a ter uma média de 300 dias de sol por ano. Ainda que suas temperaturas sejam bastante elevadas durante o dia, são baixas durante a noite, favorecendo assim à produção de uvas sãs. Outras uvas ali também são cultivadas com grande excelência, como é o caso das tintas Cabernet Sauvignon, Malbec e Syrah. 

Podemos ainda encontrar três variantes desta casta, são elas: Mendocina, Riojana e Sanjuanita, sendo a riojana a mais comum e que comumente produz os vinhos de exportação que nós tanto amamos!

Bom, agora que já falamos sobre a região de Salta e sobre a casta Torrontés, vamos falar do que sempre mais nos interessa.

Vamos então para o vinho?

Dos Estacas Torrontés safra 2014

Características organolépticas:

Cor: amarelo palha com reflexos esverdeais muito brilhantes
Aromas: muito aromático, com aromas muito evidentes de rosas, frutas brancas como pêssego e citrinos.
Boca: deliciosamente frutado, nos remete a uma salada de frutas, com muito frescor, estrutura e leveza.
Obs: é um vinho para comprar de 2 garrafas. Apaixonante, com uma relação de custo-benefício excepcional. As uvas são provenientes da região de Salta, mais quem o vinifica é a famosa e respeitada Bodega Toneles (Mendoza-Argentina)
Harmonização: as famosas empanadas salteñas farão você sonhar. Experimente com os recheios mais variados: frango, presunto e queijo, queijo e até mesmo harmonizadas com a de carne!
Dicas finais: os vinhos Torrentés carregam consigo toda expressão de frescor dos aromas primários de flores e frutas. Ao comprar um vinho Torrontés procure sempre por safras jovens, com no máximo 2 anos.
Preço médio: R$ 40,00

Quer saber onde encontrar este delicioso vinho?
Lohmann Artigos Finos (importador exclusivo no Brasil)
lohmann.artigosfinos@gmail.com
facebook.com/marcelo.lohmann.5

Até o próximo post!
Vanda Meneguci

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Degustação Toscana e Piemonte na ABS-SP

Marco Poggiolini, da importadora Terra Calda
Centro ou noroeste? Noroeste ou centro da Itália? Qual é a região preferida neste país que tem formato de uma bota? Claro que estou falando de vinhos e regiões viticultoras, então, vou falar da degustação Toscana e Piemonte na ABS-SP do último dia 23 de setembro, para abrir la nostra primavera, realizada na própria sede da associação. Foi ministrada pelo então enólogo, produtor e empresário toscano Marco Poggiolini, proprietário da trading de exportação carioca Terra Calda, importadora de todos os vinhos ali apresentados. Foram degustados 6 rótulos, sendo dois brancos e quatro tintos, alguns da  própria vinícola de Marco. Clássicos como um Vernaccia di San Gimignano e um Barolo, como também o que o palestrante chama de "vinhos de provocação", que são aqueles cujo o corte é uma surpresa por serem estes vinificados com diferentes uvas de diferentes regiões do país. E para provocar todos os nossos sentidos,


Vamos então para os vinhos?






1) Palagetto Vernaccia di San Giminiano DOCG
Produtor: Palagetto
Região: Toscana
Casta: 100% Vernaccia di San Giminiano 
Safra: 2014
Preço: R$ 62,00

Análise Organoléptica:
Cor: amarelo palha de média intensidade, límpido e brilhante.
Aromas: frutas brancas, pera e uma nota floral bastante marcada.
Boca: possui certa acidez, médio corpo e persistência média. Um vinho sem muitas pretensões e que pode acompanhar perfeitamente um happy hour com petiscos ou até mesmo carnes brancas.



2) Marpiero Branco
Produtor: CA.VI.PI Castellina
Região: uvas de diversas regiões viticultoras italianas
Castas: 40% Viognier (Sicília), 30% Chardonnay (Trentino), 20% Vermentino (Toscana), 10% Pecorino (Marche)
Safra: 2013
Preço: R$ 62,00

Análise Organoléptica:
Cor: amarelo dourado límpido e brilhante.
Aromas: abacaxi em calda, limão e boa complexidade.
Boca: frutado, equilibrado, de média persistência e sem amargor. Este é um dos vinhos que o enólogo chamara de vinhos de provocação, um corte de uvas bastante irreverente. Interessante conhecer!



3) Tuscio IGT Rosso Toscano
Produtor: Terra Calda
Região: Toscana
Castas: 50% Sangiovese, 40% Cabernet Sauvignon, 10% Cabernet Franc
Safra: 2014
Preço: R$ 32,00

Análise Organoléptica:
Cor: vermelho rubi granada de média intensidade.
Aromas: frutas vermelhas, cacau em pó, toque herbáceo.
Boca: fresco, retrogosto frutado, macio, equilibrado, boa persistência. Este é um vinho mesmo delicioso, prontinho, fácil de beber, rótulo bonito, excelente relação custo benefício. Recomendado!



4) Barbera D´Alba DOC Bricco Al Vento
Produtor: Terra Calda
Região: Piemonte
Casta: 100% Barbera
Safra: 2013
Preço: R$ 70,00

Análise Organoléptica:
Cor: vermelho rubi de média intensidade brilhante.
Aromas: frutas vermelhas, madeira bem integrada, baunilha, leve especiaria, toque defumado.
Boca: equilibrado, frutado, macio e persistente. Um exemplar de vinho Barbera com bastante tipicidade. Fácil de beber, bem gostoso em boca!


5) Marpiero Rosso
Produtor: Terra Calda
Região: uvas de diversas regiões viticultoras italianas
Castas: 40% Primitivo, 30% Montepulciano, 20% Nero d`Avola, 10% Merlot do Vêneto
Safra: 2013
Preço: R$ 62,00

Análise Organoléptica:
Cor: vermelho rubi intenso e brilhante
Aromas: frutas negras, frutas vermelhas, borracha, especiarias doces.
Boca: fresco, frutado, macio, persistente, com bom corpo.


6) Barolo DOCG Bricco Al Vento
Produtor: Terra Calda
Região: Piemonte
Castas: 100% Nebbiolo
Safra: 2010
Preço: R$ 220,00

Análise Organoléptica:
Cor: vermelho rubi granada com halo de evolução.
Aromas: frutas vermelhas e notas resinosas.
Boca: frutado, equilibrado, encorpado e de longa persistência.


Até o próximo post!
Vanda Meneguci.

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Para acompanhar o churrasco em um dia quente aposte em um vinho espumante

Tem coisa melhor que churrasco com amigos? Pode até existir, mais este estará, ali, sempre em uma das primeiras atividades felizes de participação e convívio social. Na verdade nem sabemos se a carne é mesmo a protagonista na história, porque o bom mesmo é a reunião e as boas risadas, onde a cerveja bem gelada comumente"rola" à solta, uma latinha atrás da outra, afinal de contas churrasco e cerveja são clássicos culturais - nacionais, mas se pensarmos em comida e bebida que se harmonizam e se completam,  a tão aclamada loirinha estaria pra lá de desarmônica aqui. Pensar também em um vinho Malbec ou Cabernet Sauvignon para acompanhar um churrasco em um sábado de sol de 40º graus a sombra, por mais que esta tenha tudo a ver, seria tarefa apenas para bravos guerreiros. O grau alcoólico mais elevado assim como a estrutura natural e mais encorpada destes dois tipos de vinhos tintos fariam um ser humano derreter também na mesma sombra. Quer saber então qual é a melhor opção? Para acompanhar o churrasco em um dia quente aposte em um vinho espumante.

Delicioso, refrescante, vibrante, com ótima acidez ele vai te surpreender em companhia do apreciado churrasco. A acidez natural dos vinhos borbulhantes prepara as papilas gustativas para receber aquela picanha gostosa e gordurosa, proporcionando um frescor sem amargor, e é essa a sensação (de amargor) que a loira gelada infelizmente oferece a qual nem percebemos porque dificilmente analisamos. O clássico churrasco e cerveja é cultural e ponto final.

A minha sugestão é por um  bom espumante Brut nacional. Sempre vou para esta harmonização - churrasco e vinho espumante Brut. É aposta ganha na certa, vai surpreender positivamente seus amigos que ficarão apaixonados e loucos por mais uma tacinha fresquinha, que desce macia.

E olha só qual foi o meu vinho escolhido para o churrasco na casa dos meus amigos: Santa Augusta Brut



Santa Augusta Brut

Vamos então para o vinho?

Produtor: Vinicola Santa Augusta
Pais: Brasil
Região: Videira / Santa Catarina SC

Análise organoléptica:
Cor: amarelo palha de média intensidade, límpido, brilhante com borbulhas médias e persistentes
Aromas: um sabor muito presente de abacaxi e de frutas brancas pomóideas (maça e  pera)
Boca: boa acidez, retrogosto frutado, média persistência e muito frescor
Na harmonização com a picanha deliciosa e com linguicinha na brasa, preparada pelo meu amigo, foi mesmo de arrasar.

Que belo churrasco!

Até o próximo post!
Vanda Meneguci


sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Comunicado Oficial Wines of Chile





Santiago, Chile, 17 de setembro de 2015

A Associação Vinhos de Chile/Wines of Chile expressa profundo pesar pelo terremoto no centro do país, ocorrido ontem, 16 de setembro, com epicentro da Região IV, especificamente em Illapel. Nos solidarizamos com as pessoas que foram afetadas pelo evento e estamos atentos à situação de todos aqueles que trabalham na indústria do vinho, no caso em que tenham sido ou sejam afetados.

Salientamos que, de acordo com os primeiros levantamentos, a nossa indústria não foi afetada. No entanto, estamos trabalhando para reunir mais informações, minuto a minuto, com o apoio das vinícolas que fazem parte da Wines of Chile.

Em relação aos colaboradores da indústria, até o momento não foram comunicados quaisquer casos de acidente. Com respeito à infraestrutura, não houve danos significativos. As vinícolas estão funcionando em boas condições, devido ao alto padrão de construção e tecnologia que possuem os produtores.

A Wines of Chile agradece o interesse demostrado por todos, especialmente por parte da comunidade internacional, à qual comunicamos que a conectividade do país não foi afetada e os portos continuam a funcionar normalmente.

Informou: CH2A Comunicação


Até o próximo post,
Vanda Meneguci

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Famiglia Valduga conquista sete medalhas em concurso internacional de vinhos

Grupo recebeu inédita medalha de ouro duplo, além de quatro ouros e duas pratas




O Grupo Famiglia Valduga foi o mais premiado na 12ª edição do Concurso Internacional de Vinhos e Licores Vinus 2015, com sete medalhas: um ouro duplo, quatro de ouro e duas de prata. O evento aconteceu em Mendoza, na Argentina, no mês de agosto, e avaliou 556 amostras de 20 países.

O destaque da premiação foi o Casa Valduga Identidade Arinarnoa 2012, que conquistou a inédita medalha de ouro duplo. Casa Valduga Identidade Marselan 2012 e os espumantes Moscatel 2014, Ponto Nero Moscatel e Ponto Nero Brut Rose, estes dois últimos da Dommo Importadora, ganharam medalha de ouro.

Já as duas medalhas de prata do grupo Famiglia Valduga foram conquistadas pelo Casa Valduga Mundvs Malbec 2012 e pelo Ponto Nero Celebration Brut, da Dommo.

O Concurso Internacional de Vinhos e Licores Vinus possui também a análise por custo/benefício, ou seja, no momento da apresentação das amostras os organizadores divulgam o valor de comercialização de cada garrafa e os degustadores avaliam se o valor corresponde à qualidade da bebida e fazem a análise considerando também esses itens.

Sobre o grupo Famiglia Valduga - Reconhecido mundialmente por seu padrão de excelência e sua expertise em inovação, é composto pelas empresas Casa Valduga, vinícola que está entre a dez maiores elaboradoras de espumante e vinhos do País; Dommo, elaboradora de espumantes e importadora de vinhos finos; Casa Madeira, produtora de sucos, geleias, antepastos e creme balsâmico; e Cervejaria Leopoldina, o mais novo desafio do Grupo.

As marcas estão localizadas em Bento Gonçalves (RS), no Vale dos Vinhedos, local onde a Família Valduga instalou-se quando chegou ao Brasil. Já a Dommo Importadora fica em Garibaldi (RS), cidade que também faz parte da rota turística da Serra Gaúcha. 

Mais informações sobre as empresas do grupo podem ser obtidas nos sites: www.casavalduga.com.br /  www.casamadeira.com.br / www.dommo.com.br / www.cervejarialeopoldina.com.br

Informou: Approach Comunicação Integrada


Até o próximo post!
 Vanda Meneguci

domingo, 13 de setembro de 2015

Vinhos do Alentejo 2015

...E assim, as vastas planícies de se perder de vista encantam e fascinam, permeadas de oliveiras e sobreiros, quando não de vinhedos. Esse é o Alentejo. Dia 10 de setembro, última quinta-feira, estive presente no Vinhos do Alentejo 2015, em mais uma iniciativa da EV- Essência do Vinho e o local escolhido pela Comissão Vitivinícola Regional Alentejana para o evento ser realizado, aqui em São Paulo, foi o hotel Intercontinental. A prova de vinhos foi livre para todos aqueles que se inscreveram com antecedência, mais contou também com uma prova especial comentada, ministrada pelo famoso crítico português Rui Falcão. Fiquei mesmo feliz em poder estar livre para conhecer produtores e até mesmo rever alguns especiais e muitas surpresas estavam ainda por vir. Vou contar-las à vocês.

     Sensações e expressões de uma região que revela vinhos elaborados com arte. Taças à mão!


1- Recepção de entrada do evento. 2- Intimista 2013. 3- Raphael Sena. 4-Chaminé 2013. 5-Vinhos Roquevale.        
6- Com Carrie Jorgensen da excepcional Cortes de Cima.


O primeiro vinho que eu degustei foi o Intimista 2013, um vinho tinto do produtor Encostas de Alqueva, um tinto vinificado a partir das uvas Alfrocheiro, Aragonez, Trincadeira e Moreto. "Um vinho feito para agradar o paladar dos brasileiros", conforme me disse Raphael Sena, Sommelier e Wine Hunter que esteve a frente deste projeto de produção. É realmente delicioso, cheio de frutas vermelhas, notas de violeta, especiarias e chocolate. É também um vinho pronto, com taninos macios, médio corpo e bom equilíbrio. Uma boa aposta da importadora que o traz para o Brasil, a World Wine, que atende perfeitamente a relação de bom custo-benefício. Ao sair da primeira estação de vinhos, fui rapidamente para a Cortes de Cima, era a minha grande expectativa neste evento. Conheci estes maravilhosos vinhos no ano passado e tive ainda a oportunidade de participar de uma degustação especial conduzida pelo enólogo Hamilton Reis (clique para ver detalhes desta degustação), então a minha ansiedade era tamanha, em degustar mais uma vez esses vinhos excepcionais e por também admirar o produtor. A Carrie Jorgensen estava lá realizando o serviço de vinhos, fiquei emocionada em conhece-la de perto, sou sua fã. Ela fez questão de nos servir (eu e um amigo) com uma atenção e carinho muito especiais, eu não poderia imaginar algo diferente daquela mulher, ela é realmente como imaginava, a simplicidade em pessoa. E esse meu amigo a partir dali fatalmente também virou um fã. Disse eu à Carrie no início da prova de vinhos, ainda um pouco tímida: "Sou blogueira, Sommelière, e conheço a sua história e seus maravilhosos vinhos. Difícil é dizer aqui qual deles é o melhor. Eles são todos muito bons e muito particulares". E ela me respondeu com um sorriso: "É verdade. Para mim são como se fossem filhos, todos diferentes porém no amor é igual". Ela resumiu tudo!

Comento aqui sobre o Chaminé 2013, um corte das castas Aragonez, Syrah e Touriga Nacional. Tem aromas muito intensos de frutas do bosque (framboesa, cereja, amora) é  fresco em boca e muito equilibrado, simplesmente delicioso. E por fim, estava lá, o Cortes de Cima 2013 branco, que foi considerado no início deste ano entre mais de 3500 vinhos diferentes o melhor branco do mundo pelo conceituado concurso Vinalies Internationales (França).

Saindo da Cortes de Cima, fui degustar os vinhos Roquevale, o Reserva Tinto 2009 e o Grande Reserva Tinto 2009, ambos muito bons, porém o Reserva Tinto 2009 ao meu gosto estava muito melhor, ainda com boa expressão de fruta, notas de torrefação, couro e um caramelo muito evidente.


7-Margarida Tinto 2009. 8-Tiago Cabaço Alicante Bouschet 2011. 9-Herdade do Gamito 2009. 10-Gamito Alicante Bouschet 2011. 11-Amantis Branco 2011 e Amantis Tinto 2009. 12- Reguengos Alentejo 2008 Garrafeira dos Sócios. 

Ao lado estavam os vinhos dos produtores Monte dos Cabaços e Tiago Cabaço. Degustei o Margarida Branco 2011 e o Margarida Tinto 2009. O branco, um 100% Encruzado, com uma pequena parcela que estagiou em barricas de carvalho francês dando um toque de tostado nas frutas deliciosamente brancas maduras, e o tinto um também, 100% Alicante Bouschet, de cor escura, com notas de frutas vermelhas e florais intensos e com madeira bem integrada, deliciosamente equilibrado e persistente na boca. O Tiago Cabaço Alicante Bouschet 2011 seguiu a mesma linha.

Conheci o produtor Herdade do Gamito, e mais uma grande surpresa. Pela primeira vez no Brasil, buscando um importador. Esse produtor com apenas 27 hectares de vinhedos é uma jóia rara. Herdade do Gamito 2009 é um vinho que está no ponto. Não há nada mais a acrescentar. Aromas intensos de frutas vermelhas, especiarias e com bastante complexidade. Foi vinificado a partir das castas Syrah, Alicante Bouschet, Trincadeira Preta e Merlot. Gamito Alicante Bouschet 2011 não fica atrás, maravilhoso também, com notas de frutas escuras maduras intensas, encorpado, elegante e persistente.

Os dois rótulos Amantis (branco e tinto, safras 2011 e 2009 respectivamente) do produtor Dona Maria - Júlio Bastos são realmente excepcionais. O branco, um Viognier fermentado em barricas de carvalho frânces de 400 L, tem aromas intensos de frutas tropicais e florais, acidez, bom corpo, elegância e persistência. Inesquecível. Já o tinto é um de corte das clássicas francesas Syrah, Petit Verdot, Cabernet Sauvignon e da portuguesa Touriga Nacional de parcelas iguais (25%). Dado ao seu corte de muitas castas, é um vinho de aromas muito complexos, de frutas silvestres maduras, especiarias e menta, com taninos sedosos, de final longo, fresco e persistente. Mais um vinho memorável. E para finalizar essa grande prova, encerrei com Reguengos Alentejo 2008 Garrafeira dos Sócios, um corte das castas Aragonez, Trincadeira e Castelão. Este é um vinho de fato muito especial, elaborado com uvas colhidas manualmente. É submetido a provas regulares ao longo do processo de sua vinificação sendo separado, por fim, o mosto em dois lotes, onde o melhor resulta O Garrafeira dos Sócios. Possui aromas de frutas maduras, passas, especiarias, coco e baunilha. Tem taninos muito elegantes, corpo e muita persistência em boca. Simplesmente incrível.

Vinhos do Alentejo 2015 - Produtores presentes e seus respectivos importadores no Brasil:

Adega Cooperativa de Portalegre - Importador: Meireles e Barros, LDA.
Adega de Borba - Importador: Adega Alentejana
Adega do Monte Branco - Importador: Magnum Importadora
Cartuxa-Fundação Eugênio de Almeida - Importador: Adega Alentejana
Casa Santa Vitória - Importador: Vila de Arouca
Cortes de Cima - Importador: Adega Alentejana
Dona Maria - Júlio Bastos - Importador: PPS Importadora
Encostas de Alqueva - Importador: Grupo Asa Goumert
Enoforum/ CARMIM Group - Importador: Porto a Porto, IMP. E EXP.
Ervideira - Importador: Caves Santa Cruz
Esporão - Importador: Qualimpor
Herdade do Gamito - Sem Importador
Herdade do Peso - Importador: Zahil Importadora, LDA.
Herdade dos Coelheiros - Importador: Mistral
Herdade dos Coteis - Importador: Hortifruti - Hortigil
Herdade Outeiro de São Romão - Importador: Meireles e Barros, LDA.
Herdade São Miguel - Importador: RJU Comércio e Beneficiamento
José Maria da Fonseca - Importador: Decanter Vinhos Finos, LDA.
Mingorra - Henrique Uva - Importador: DEVINUM
Monte da Ravasqueira - Importador: Vinci
Monte do Pintor - Importador: Adega Alentejana
Monte dos Cabaços, Lda. - Importador: Adega Alentejana
Mouchão - Importador: Adega Alentejana
Paulo Laureano Vinus - Importador: Adega Alentejana
Pêra - Grave - Importador: Meireles e Barros, LDA
Quinta do Mouro - Importador: Épice Importação
Roquevale - Importação: Adega Alentejana
Tapada do Fidalgo - Importação: Adega Alentejana
Tiago Cabaço - Importação: Adega Alentejana

Até o próximo post!
Vanda Meneguci

sábado, 12 de setembro de 2015

Art des Caves completa 18 anos e traz ao mercado diversas novidades

Para comemorar o seu aniversário, a empresa lança adega para 14 garrafas e muda o nome de suas lojas físicas



A Art des Caves, pioneira no mercado brasileiro de adegas climatizadas, completa 18 anos em 2015 e, para comemorar a sua maioridade em grande estilo, apresenta algumas novidades aos amantes da enologia. A empresa acaba de lançar a adega Petit com capacidade para 14 garrafas, modelo que chega para atender o mercado de pequenos apartamentos, a partir de 18 m², cada vez mais procurados nas grandes metrópoles brasileiras.

O produto busca também agradar aos novos consumidores do mundo do vinho, que ainda não possuem muitas garrafas, além daqueles que apreciam a bebida, porém, anseiam por uma adega com menor custo. "Com a atual realidade econômica do país, muitos clientes realizam uma pesquisa mais minuciosa de preço. O nosso objetivo é aliar valores mais baixos com a nossa qualidade reconhecida nacionalmente", afirma a administradora de empresas e gerente de marketing da Art des Caves, Rafaela Vidigal.

Outra novidade é a mudança do nome das lojas físicas da Art des Caves. A partir de agora, a boutique Maison des Caves passa a ter o mesmo nome da já consagrada marca de adegas e climatizações, fato que trará uma melhor identificação junto aos consumidores. Atualmente, a empresa possui quatro lojas próprias, três em São Paulo e uma no Rio de Janeiro.

Blog Art des Caves

O Blog da Art des Caves (blog.artdescaves.com.br) é mais uma das ações que a marca preparou em seu aniversário de 18 anos. Com o objetivo de manter o público informado sobre as curiosidades dos mais diversos aspectos do vinho, o blog é atualizado duas vezes por semana, com posts publicados às terças e quintas-feiras.

Os textos, assinados por Rafaela Vidigal, que integra a equipe da Art des Caves há oito anos, e pelo sommelier internacional formado pela FISAR (Federazione Italiana de Sommeliers), Bruno Hermenegildo, são produzidos de forma leve e didádica, como no caso do artigo "Entenda as diferenças entre os principais tipos de vinho", que estreou o espaço, e "Sete dicas de conservação de vinhos para manter a qualidade", feito em formato de listas, modo muito utilizado na internet atualmente, a exemplo de sites como o Buzzfeed. "Pretendemos atingir tanto os brand lovers da marca, como os iniciantes no mundo da bebida de baco", explica Rafaela.

História de sucesso

Depois de muita pesquisa, participação em feiras e trabalho incessante, em agosto de 1997 nasce a Art des Caves, a primeira indústria brasileira de adegas climatizadas, e com ela, o mercado brasileiro se lança rumo ao aprendizado no mundo da enologia.

A excelência do trabalho da empresa ao longo desses 18 anos se confirma com a conquista de inúmeros prêmios, a exemplo do Top of Mind, da revista Casa&Mercado/Instituto Datafolha, como a empresa mais lembrada pelos arquitetos e decoradores de todo o Brasil, durante nove anos consecutivos.

Ao atingir a maioridade em um mercado ainda novo, a Art des Caves se consolidou como a pioneira na fabricação de adegas climatizadas no país e no desenvolvimento de um produto adequado ao clima tropical brasileiro, buscando ouvir os desejos dos seus consumidores, fazendo estudos contínuos e lançando novidades que agradam todos os gostos e necessidades.

A Art des Caves possui um minucioso processo de criação de seus produtos e está sempre em busca das tendências mais atuais do mercado. São mais de 40 opções de modelos em diferentes cores e tamanhos, que vão desde a nova adega Petit com capacidade para 14 garrafas à Sommelier 230, para 220 garrafas e três temperaturas diferentes para vinhos tinto, espumantes e vinhos brancos.

Sobre a Art des Caves - Pensando em todos os estilos, a Art des Caves desenvolve há 18 anos as melhores adegas climatizadas para vinho e climatizações de ambientes. Pioneiros no Brasil na fabricação de adegas climatizadas, ouvimos os desejos dos consumidores, pesquisamos continuamente e sempre criamos novidades no universo da enologia para todos os gostos. Nós atendemos tanto os clientes que admiram a tecnologia, o design moderno e a objetividade quanto os que seguem as tradições, preservam a cultura à risca e gostam de vivenciar no seu ambiente o estilo dos vinhos. Conheça nossos produtos no site: www.artdescaves.com.br

Informou: assessoria de imprensa Art des Caves
Sheyla Pereira
sheylamp@yahoo.com.br


Até o próximo post!
Vanda Meneguci

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Apérifit à La Française volta a São Paulo com novo formato




Evento lançado há 11 anos e que inclui o Brasil entre os países-sede desde 2013, acontecerá em novo espaço ao ar livre e em supermercados na capital paulistana e Rio de Janeiro

É muito difícil resistir ao charme e sabor que a França transmite naturalmente, seja nas esquinas e nos cafés de Paris, suas praças, jardins e monumentos...Vinhos e queijos, vitrines, arte, moda e cultura, entre tantas outras referências mágicas que nos fazem sonhar. Com o objetivo de promover o art de vivre e o savoir-faire francês junto aos brasileiros, o circuito Aperitif à la française desembarca pela terceira vez consecutiva em São Paulo, com um novo formato, além de uma participação especial no Rio de Janeiro.

Inspirado no momento sagrado para os franceses - o "apéritif "- quando se reúnem para tomar um delicioso drinque e beliscar comidinhas, o evento é promovido pelo Grupo Sopexa há onze anos e acontece em sete das cidades mais influentes do planeta: Tóquio, Montréal, Copenhague, Nova York, Hong Kong, Dubai e São Paulo. Fruto da parceria entre o Ministério da Agricultura, da Agroindústria e da Floresta da França e marcas francesas, em São Paulo, a terceira edição terá inspiração nos piqueniques feitos em parques e praças de Paris, e compartilhados entre amigos e familiares.

O Apéritif à la française 2015 acontecerá no Piknik, espaço recém inaugurado, que alia comida de rua de qualidade em charmosos trucks e barraquinhas, com entretenimento gratuito ao ar livre. Durante os dias 17 a 20 de setembro, os restaurantes, bares e marcas presentes no local serão transformados em réplicas do art de vivre francês e trarão petiscos e bebidas embalados por eventos culturais, tudo com sotaque bleu, blanc, rouge. O Grupo Le Vin já confirmou participação no evento e levará ao local alguns carros-chefe do bistrô, da pâtisserie e boulangerie tão amados por paulistanos e cariocas.

E, para disseminar ainda mais os produtos "Made in France", serão realizadas degustações e exposições de produtos franceses em 26 pontos de venda do Grupo Pão de Açúcar em São Paulo e no Rio de Janeiro, de 13 a 23 de setembro.


SOPEXA - Grupo de referência do Marketing Internacional Alimentar, do Vinho e da Art de Vivre

Na França e nos mercados internacionais, a SOPEXA propõe - há 52 anos - soluções eficazes de marketing e inovações para desenvolver a imagem, aumentar a notoriedade e dinamizar as vendas dos produtos de seus clientes.

Especializado no setor de alimentação, o grupo conta com consultores multiculturais, que são conhecedores refinados dos mercados locais e estão sempre atualizados com as últimas tendências para garantir a sutil adequação de cada produto com os hábitos de consumo locais nos 43 países, onde se encontram as 30 agências SOPEXA. O grupo é especialista em "Food, Wine and Lifestyle connections".

A profunda análise de evolução dos mercados em cada país, como no Brasil, permitiu criar prestações de serviços relevantes para, deste modo, divulgar produtos franceses de qualidade. "Descobrir e partilhar sabores e estilo de vida - Art de Vivre - na Europa e no resto do mundo, com intuito de gerar oportunidades de crescimento a nossos clientes - empresas, instituições e organizações". Esta é a missão da SOPEXA.

Sobre o Piknik

O Piknik é um novo conceito de ocupação de espaços na capital paulista que alia comida de rua de qualidade, entretenimento gratuito ao ar livre e conveniência para quem trabalha ou mora na região da Faria Lima. Ele está localizado em um dos cruzamentos mais importantes de São Paulo, no número 3.128 da Avenida Rebouças, a menos de 200 metros da esquina com a Avenida Brigadeiro Faria Lima. Seus 2.000 m² de área aberta podem ser ocupados por até 40 expositores, escolhidos por uma curadoria gastronômica, que oferecem desde comidas étnicas, pratos vegetarianos, culinária brasileira, lanches, até doces, cafés e outras bebidas diversas. O Piknik possui entrada gratuita e estacionamentos próximos ao local.


Serviço
Piknik Apéritif à la française - Avenida Rebouças, 3128 (entre as estações de metrô Faria Lima e Fradique Coutinho - linha amarela)

Informou: SOPEXA


Até o próximo post!
Vanda Meneguci

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Pizza de queijo e vinho Tempranillo hum hum...

Segunda-feira fria e chuvosa e bye bye feriado prolongado. Sem vontade em se aventurar na cozinha, mais com muita disposição em beber um vinho e comer algo gostoso (dias frios pedem comida) e a massa é sempre a minha primeira alternativa. Decidida por uma pizza de queijo que estava à espera no freezer da geladeira, bastava escolher pelo rótulo. Fui à minha humilde adeguinha e puxei um espanhol, daí eu pensei: pizza de queijo e vinho Tempranillo hum hum...e aí abri o Covinas Monte Mayor Tempranillo 2012 o qual eu havia comprado no ano passado no Encontro de Vinhos realizado no Hotel San Raphael aqui em São Paulo. Eu o degustei no evento e adorei, o custo-benefício era muito bom! Lembrei-me disso e não tive dúvidas em abri-lo hoje mesmo! A pizza de queijo, já descongelada, seguiu para o forno pré-aquecido saindo de lá crocante, bem porcionada de queijo e douradinha.

Sobre o produtor e o vinho

Covinas Monte Mayor Tempranillo 2012 é um vinho simples, porém muito honestinho, bem vinificado. É da D.O Utiel Requena - Espanha (a mesma do famoso Toro Loco) e faz parte da província de Valencia. A Bobal é nativa nessas terras, mas a casta Tempranillo tem também ali grande prestígio. O produtor faz parte de uma cooperativa de 12 produtores que formam o Grupo Covinãs, o qual cultiva mais de 10.000 hectares de vinhas onde 40% deste total estão situados na Denominação de Origem Utiel Requena. Com uma altitude entre 600 a 900 metros acima do nível do mar, a região está localizada em um belíssimo vale banhado pelo rio Magro, onde os vinhedos encontram perfeita harmonia com os solos de arenito, calcário e argila com uma pluviometria média de 430 mm por ano.
A influência moderada do Mar Mediterrâneo e do clima Continental, impulsionam o clima a uma boa amplitude térmica onde predominam dias ensolarados e noites frescas (brisa mediterrânea) contribuindo para uma maturação lenta proporcionando assim uma boa concentração de aromas e polifenóis nas uvas.

Voltemos ao vinho. Tem cor vermelho rubi de média intensidade e brilhante. No nariz revela notas de frutas vermelhas com destaque a cereja vermelha e framboesa. Sem grandes complexidades, revela no paladar as mesmas notas encontradas no nariz. Tem boa acidez a qual lhe atribui um bom frescor, corpo médio e persistência média em boca. O rótulo também é um charme à parte!



A harmonização com pizza de queijo

A harmonização com a minha pizza de queijo ficou deliciosa. Por ser um vinho de médio corpo, ainda jovem e com boa acidez presente, o queijo mozzarella foi mesmo o par perfeito para o meu final de feriado frio, assistindo TV, escrevendo no blog!



Até o próximo post!
Vanda Meneguci